Política

A fragilidade política do governo Temer e as consequências para as próximas eleições

Esquerda pode ganhar força, desde que não esteja fragmentada; direita segue com sustentação dos atuais patamares e perde mais quem estiver ligado direta ou indiretamente ao presidente Temer

Publicada em 26/05/18 às 19:04h - 30 visualizações

por TIRSUL


Compartilhe
   

Link da Notícia:

Um controle dos preços do diesel até dezembro proposto pelo governo do presidente Michel Temer após o protesto de caminhoneiros contra a alta dos combustíveis não será a solução para a crise e pode impactar negativamente planos da Petrobras, além de desperdiçar recursos públicos e gerar distorções no mercado.

A Petrobras divulgou na noite de quarta-feira uma redução de 10 por cento e um congelamento nos preços do diesel por 15 dias, enquanto na quinta-feira o governo anunciou um acordo para tentar encerrar os bloqueios de estradas que prevê que eventuais reajustes do combustível até o final do ano aconteçam a cada 30 dias.

Embora o governo tenha prometido criar uma subvenção para bancar eventuais custos da Petrobras com os congelamentos, dado que antes a companhia vinha praticando reajustes diários, as ações da petroleira já perderam cerca de 15 por cento desde que as medidas foram anunciadas.

A elevação do diesel foi puxada nas últimas semanas por uma desvalorização do real e pela alta do petróleo no mercado internacional, fatores que não estão sob controle direto do governo, enquanto boa parte do custo do insumo nos postos deve-se a impostos e tributos.

"Essa solução de o reajuste passar de diário para mensal é uma falsa solução, porque se na hora de ajustar precisar dar uma 'porrada' tem problema do mesmo jeito... não tem mágica. Tem que entender que o petróleo é uma coisa cara, diesel é caro. A gente pode fazer algumas coisas para baixar, que é nos impostos, não tem outra solução", disse à Reuters o professor do Grupo de Economia da Energia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (GEE-UFRJ), Edmar de Almeida.

O governo já disse que poderá editar um decreto para zerar uma contribuição incluída no custo do diesel, a Cide, desde que seja aprovada uma lei que prevê a reoneração da folha de pagamento de diversos setores. Também há um movimento no Congresso para isentar o diesel de PIS e Cofins, mas a Fazenda tem dito que é preciso encontrar novas fontes de receita antes de seguir por esse caminho.

Para o consultor Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), houve um grande erro do governo ainda em julho do ano passado, quando decidiu-se aumentar o PIS/Cofins de gasolina e diesel para gerar uma maior arrecadação mesmo em um momento em que já havia expectativas de valorização do petróleo no mercado internacional.

"Se eles entendessem do mercado de petróleo, não subiriam imposto com o preço subindo. Ou subiriam a Cide, que é uma contribuição e você pode baixar rapidamente por decreto se o petróleo disparar... a atitude tomada foi de retrocesso... a mensagem é muito ruim, é de controle de preços", afirmou.

Ironicamente, os contratos futuros do petróleo negociados nos Estados Unidos caíram quase 5 por cento nesta semana, em meio a discussões entre a Arábia Saudita e a Rússia sobre a possibilidade de amenizar os cortes de oferta que ajudaram a impulsionar os preços da commodity para suas máximas em mais de três anos recentemente.

O dólar, que também influencia as cotações dos combustíveis pela Petrobras, também recuou levemente desde o início dos protestos, na última segunda-feira.

"Se o preço do mercado internacional cai, a Petrobras vai ficar durante um mês vendendo a preço mais elevado? O que acontece, ela perde mercado? Ou é o contrário, durante um período ela vende abaixo do mercado e os outros (concorrentes) não podem entrar", apontou Almeida, da UFRJ, para quem as medidas do governo ameaçam "desorganizar o mercado".

Além disso, um controle de preços tende a assustar compradores em potencial das refinarias que a estatal quer vender dentro de seu plano de desinvestimentos para reduzir a enorme dívida.

POLÍTICA CARA

As promessas do governo também embutem um risco de elevados custos aos cofres públicos, ainda mais no caso de uma disparada do petróleo. O Ministério da Fazenda estima que a compensação a ser feita pelo Tesouro à Petrobras pelo congelamento mensal de preço pode consumir 700 milhões de reais por mês, ou 4,9 bilhões até o final do ano.

O sócio-diretor de governo e regulação da KPMG, Diogo Mac Cord, critica o "imediatismo" da proposta do governo em meio à crise.

"Era melhor cortar o mal agora e mostrar que a conta não fecha... em um ano inteiro, (o congelamento) custaria 10 bilhões, estamos falando em quase 10 por cento do orçamento da educação para subsidiar combustível", afirmou.

O orçamento do governo federal para educação em 2018 é de 105,4 bilhões de reais.

Ele ainda apontou um paralelo com uma tentativa do governo da presidente Dilma, a partir de 2012, de controlar os preços da energia elétrica com renegociações de contratos da estatal Eletrobras e aportes do Tesouro.

As tarifas de energia caíram 20 por cento em 2013, mas dispararam mais de 50 por cento em 2015, mesmo após injeções bilionárias do Tesouro no setor, e devem ter reajustes de dois dígitos neste ano.

"Você parte de um objetivo nobre, que é diminuir o preço de um insumo fundamental, mas busca soluções fáceis e de curto prazo que no longo prazo não fazem sentido, sem observar o problema estrutural", afirmou Cord.

No início da noite desta sexta-feira, após o governo anunciar medidas mais fortes para liberar as rodovias, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, afirmou que o governo espera alcançar rapidamente a normalização do abastecimento no país, prejudicado pelos protestos, uma vez que, segundo ele, está caindo a taxa de interdições nas rodovias por caminhoneiros.

Mais cedo, a Advocacia-Geral da União (AGU) ingressou com ação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para o desbloqueio imediato de estradas com o uso da Polícia Rodoviária Federal, da Força Nacional e das Polícias Militares.

Governo espera atingir rapidamente normalização do abastecimento, diz Etchegoyen

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, afirmou nesta sexta-feira que o governo federal espera alcançar rapidamente a normalização do abastecimento no país, uma vez que, segundo ele, está caindo a taxa de interdições nas rodovias por caminhoneiros.

Em declaração à imprensa no Palácio do Planalto, Etchegoyen disse também que a Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Rio de Janeiro, já foi normalizada quase na integralidade.

Veículos do Exército foram enviados nesta sexta-feira à Reduc para escoltar um caminhão-tanque de combustível destinado ao abastecimento do Exército, sem relação direta com o plano de segurança anunciado pelo presidente Michel Temer para desobstruir rodovias bloqueadas por caminhoneiros, informou mais cedo o Comando Militar do Leste.

Segundo o ministro Etchegoyen, o governo está trabalhando desde cedo na coordenação das ações para assegurar o abastecimento de itens críticos à população.

Ao fazer um balanço sobre as ações dos caminhoneiros, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou que 419 rodovias foram liberadas, das 938 obstruções que chegaram a ser registradas.

"Temos hoje 519 interdições de rodovias, nenhuma delas é uma interdição total", afirmou.

Segundo Jungmann, a queda em número de obstruções de rodovias indica adesão de caminhoneiros a acordo proposto pelo governo. O ministro afirmou ainda que o governo possui uma relação de duas dezenas de empresários investigados e chamados a depor por suspeita de locaute.

"Caso necessário, Temer editará decreto que permite requisição de bens, portanto estaremos em condições de guiar veículos inclusive privados para conter desabastecimento", disse.

Oferta de combustível levará dias para normalização após liberação de vias, diz associação

SÃO PAULO (Reuters) - As bases e terminais das distribuidoras de combustíveis estão prontas para retomar o abastecimento ao mercado tão logo as vias sejam liberadas e a segurança das operações esteja garantida, afirmou em nota nesta sexta-feira a Plural, associação que representa as distribuidoras.

"O abastecimento pleno do mercado, no entanto, é um processo que ainda levará alguns dias para ser normalizado. Bases de Caxias, Suape, Betim, Canoas e São Caetano estão saindo com as carretas escoltadas", disse a Plural em nota.

A associação comentou ainda que os protestos iniciados na última segunda-feira comprometeram o abastecimento de combustíveis e lubrificantes a aeroportos, serviços essenciais (transporte público, polícia, bombeiros, ambulâncias), postos de serviços, indústrias e comércio, atingindo toda a economia nacional.

"As associadas vêm adotando medidas judiciais cabíveis e solicitando apoio às autoridades competentes para garantir o livre trânsito dos caminhões."

No início da noite desta sexta-feira, após o governo anunciar medidas mais fortes para liberar as rodovias, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, afirmou que o governo espera alcançar rapidamente a normalização do abastecimento no país, prejudicado pelos protestos, uma vez que, segundo ele, está caindo a taxa de interdições nas rodovias por caminhoneiros.

Mais cedo, a Advocacia-Geral da União (AGU) ingressou com ação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para o desbloqueio imediato de estradas com o uso da Polícia Rodoviária Federal, da Força Nacional e das Polícias Militares.




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.







Nosso Whatsapp

 (55)9 9691 2033

Visitas: 196941
Usuários Online: 75
Copyright (c) 2018 - TIRSUL - Estamos felizes por você estar aqui, compartilhe conosco suas idéias e comentários.