Agricultura

Soja: Preços no Brasil se mantêm sustentados pelo dólar forte na casa dos R$ 3,70

Publicada em 17/05/18 às 21:55h - 22 visualizações

por TIRSUL


Compartilhe
   

Link da Notícia:

A quinta-feira (17) fechou com preços em campo misto no mercado brasileiro. A nova alta do dólar - que fechou o dia com R$ 3,70 - acabou perdendo força frente a uma nova rodada de baixas entre as cotações na Bolsa de Chicago. Ainda assim, seguem mantidos os bons patamares para a a oleginosa nacional, com algumas praças no interior do país superando os R$ 84,00 por saca. 

Nos portos, segue o intervalo dos R$ 84,00 aos R$ 86,00. Em Paranaguá, o produto disponível subiu 1,18% para terminar o dia em R$ 86,00, ao passo em que a referência cedeu 0,35% em Rio Grande para concluir os negócios com R$ 85,50. Em Santos, o último preço foi de R$ 84,20. 

"Se não tivessemos um dólar tão elevado, com esse movimento de alta das últimas duas semanas, teríamos preços mais baixos sem dúvida. Saímos dos preços do momento da explosão dos prêmios nos portos no início de abril - na casa de R$ 87 a R$ 88 com Chicago a US$ 10,50. Agora, com Chicago a US$ 10,00 e temos R$ 85,00, isso é sem dúvida que o dólar elevado segura os preços no mercado interno, até porque é momento de entrada de safra", explica o analista de mercado Luiz Fernando Gutierrez, da Safras & Mercado. 

E o momento ainda é, portanto, oportuno para os produtores brasileiros que precisem dar continuidade à sua comercialização. Os indicativos são atípicos para o atual período do ano comercial e, por isso, são convidativos para novos negócios já que seguem remunerando bem em quase todas as principais regiões produtoras do país. 

Dólar

Nesta quinta-feira, a moeda norte-americana fechou o pregão frente ao real com sua quinta alta consecutiva e valendo R$ 3,7012, subindo 0,62%. Nestas últimas cinco sessões, a valorização acumulada é de 4,39%, segundo informa a agência de notícias Reuters. 

O dólar iniciou o dia em baixa, porém, reagiu com a alta diante da manutenção da taxa Selic em 6,5% pelo Banco Central, além de seguir acompanhando as notícias que chegam dos Estados Unidos. A divisa subiu, afinal, não só frente ao real, mas diante de uma cesta de moedas internacionais. 

"A decisão do BC foi acertada, mas o dólar está com a dinâmica das moedas lá fora", comentou o analista econômico da gestora Rio Gestão, Bernard Gonin à Reuters. 




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.







Nosso Whatsapp

 (55)9 9691 2033

Visitas: 101439
Usuários Online: 104
Copyright (c) 2018 - TIRSUL - Estamos felizes por você estar aqui, compartilhe conosco suas idéias e comentários.